sexta-feira, 31 de outubro de 2008

Arte e sabedoria




Sabe aquela latinha de massa de tomate que a gente joga fora? Pois é, minha amiga Sonia Laranja faz um lindo uso delas.Quando eu vi fiquei apaixonada, pois sempre achei que aquelas latinhas poderiam servir pra alguma coisa, e não é que serve mesmo??
A Sonia tem um albúm das coisas maravilhosas que ela faz, o link está ali na minha lista de Galeria de Arteiros...e ela aceita encomendas!!

Algumas coisinhas que eu faço.

Toalha de Banho em vagonite com acabamento em passa-fitas.

Caminho de mesa em Ponto vagonite com acabamento em crochê.

Dicas Maravilhosas!!


Olha que idéia linda...feito a partir de caixinha de leite.
Adorei!!! Eu já fiz para embalar presentes e caixinhas supresas de
aniversário. Esta idéia é da artista Priscila Mendes, é
um peso de porta.
São Maravilhas que a gente encontra pela Net.

quinta-feira, 30 de outubro de 2008

História do Patchwork


A tradução literal de patchwork é "trabalho com retalhos". É uma técnica que une tecidos com uma infinidade de formatos variados. O patchwork é a parte superior ou topo do trabalho, já o trabalho completo é o acolchoado, formado pelo topo mais a manta acrílica e o tecido fundo, tudo preso por uma técnica conhecida como quilting ou acolchoamento.


Histórico

Existem registros históricos de que o homem faz acolchoados desde que aprendeu a tecer. No século IX a.C., os faraós já usavam roupas com técnicas similares. Existe uma versão de que esta técnica foi levada por comerciantes para o antigo Oriente, depois viajou para a atual Alemanha, até que chegou à Inglaterra no século XI, sendo utilizada para fazer tapetes e túnicas clericais. Mas os primeiros tapetes e acolchoados surgiram somente no século XVI, época de Henrique VIII, e costumavam ser presentes de casamento muito admirados. Os cavaleiros da Idade Média também usavam acolchoados como proteção, embaixo da armadura de metal.

Em meados do século XVII, a arte de quiltar chegou às Américas, mais especificamente aos Estados Unidos e Canadá. Trazida pelos colonizadores, era comum ver colchas feitas de linho ou lã, em panos inteiros ou a partir de medalhões centrais e bordas, que permitiam o aproveitamento total de retalhos, já que tecidos eram considerados preciosidade, assim como linhas e agulhas (que eram passadas de mãe para filha). As técnicas eram transmitidas pelas mães e avós para suas descendentes, assim surgiram muitas tradições relacionadas a tecidos, cores e desenhos. Uma tradição de meados de 1800 pedia que a moça fizesse doze colchas antes de poder casar, sendo que a última deveria utilizar os blocos Double Wedding Ring (dois anéis de casamento entrelaçados).(Fonte Wikipédia)

Giramundo


Passeando pela web, encontrei uma figura que me chamou muito a atenção, então resolvi pesquisar e dividir com voces.
E feito em retalhos de tecidos sobre uma estrutura de papelão,parece uma estrela de várias pontas, uma verdadeira escultura utilizando retalhos de chita.
É bem típico da região nordeste. Espero que gostem como eu gostei.

Giramundo

s. m., enfeite conhecido também como Flor de Mandacaru. Aplicações de chitas sobre estrutura geométrica de papelão.

sexta-feira, 24 de outubro de 2008

Como usar nossas Mãos..???


Estive pensando em como as nossas mãos são abençoadas.
Em como devemos agradecer todos os dias por te-las.
Não sou poetisa, nem tenho esse dom maravilhoso...então procurei algo que reverenciasse as mãos, pois é sobre mãos que iremos tratar, daqui pra frente em meu blog.
Uma das coisas que amo é artesanato, mas sou muito principiante, gosto de aprender tudo, então já fiz vários trabalhos para serem usados por mim ou por minhas filhas,também faço algumas peças de roupa...mas na verdade adoro fazer algo com minhas próprias mãos...Então vamos lá...Olhe ai pra suas mãos e depois me conte tudo que voce é capaz de fazer com elas ( a lista é infinita...).
Achei este verso na internet, a poetisa se chama Lourdinha Biagini, e reflete bem o que eu quero dizer.

"Mãos que afagam e curam,
Entendem de forma e de cor,
edificam, acolhem, atendem,
mãos que dobram e embalam,
mãos que tecem renda e amor,
mexem a colher, batem o bolo,
silenciam e desmancham a dor,
e que tem horas, unidas,
se voltam para o céu"